A Historiografia Revolucionária Alberto Flores Galindo e a Nueva Historia peruana (1970-1980)

Marcos Sorrilha Pinheiro

Resumo


Na década de 1970 houve uma série de alterações na historiografia mundial no que diz respeito aos métodos, técnicas e objetos de pesquisa. Essas mudanças repercutiram no Peru e contribuíram para a formação de uma nova geração de historiadores, a chamada Nueva Historia peruana. De maneira particular, essa geração recorreu às novas práticas
historiográficas a fim de compreender a realidade peruana e justificar a revolução socialista no país. Entre esses novos historiadores, destacou-se a figura do intelectual Alberto Flores Galindo. Tributário desse contexto de alterações científicas e políticas em seu país, esse pesquisador desenvolveu um novo modo de se fazer história, tomando o passado como fonte para se encontrar explicações capazes de superar as dificuldades contemporâneas e elaborar
projetos políticos para o futuro. Neste artigo, procuraremos delimitar as principais características da Nueva Historia peruana e apresentar as concepções historiográficas de
Alberto Flores Galindo, dentro de seu desafio de conceber uma historiografia revolucionária.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: