“Ya de paz, ya de guerra”: desertores e fugitivos nas campanhas do Rio da Prata colonial

Hevelly Ferreira Acruche

Resumo


As guerras pela posse de territórios envolvendo portugueses e espanhóis têm sido tema relevante na historiografia nacional e internacional. No caso específico do Rio da Prata, a posse da praça da Colônia do Sacramento tornou-se um baluarte estratégico para lusos e hispânicos e seus estabelecimentos coloniais. Ao longo da segunda metade do século XVIII, conflitos envolvendo as duas coroas permitiram que um teatro de operações fosse organizado a fim de combater um inimigo considerado poderoso cuja derrota poderia representar o domínio da navegação dos rios no extremo sul da América. Nesse sentido, o objetivo central deste artigo é tratar do papel dos desertores das tropas portuguesas e espanholas no trânsito de informações sobre o estado de forças dos beligerantes, seu ânimo e as defesas dos impérios ibéricos coloniais às vésperas da chegada de uma expedição comandada por D. Pedro de Cevallos à Praça da Colônia do Sacramento e outras regiões do extremo sul português em 1776.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDÚJAR CASTILLO, Francisco. Guerra, venalidad y asientos de soldados en el siglo XVIII. Studios historicos. Historia moderna, nº 35. Espanha: Ediciones de la Universidad de Salamanca. 2013.

BEN VINSON III. Race and Badge: Free-Colored Soldiers in the Colonial Mexican Militia. The Americas, Vol. 56, n. 4 (Apr., 2000).

BIROLO, Pablo. Militarización y politica en el Rio de la Plata colonial. Cevallos y las campañas militares contra los portugueses, 1756-1778. Buenos aires: Prometeo editorial, 2014.

BODELÓN, Oscar. La ocupación española de Santa Catarina (1777-1778). Una isla para Carlos III. Tese de Doutorado. Salamanca: Universidad de Salamanca, 2013.

BURKE, Peter. A Escola dos Annales – 1929-1989. A Revolução Francesa da Historiografia. São Paulo: UNESP, 1991.

CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vitor, KRAAY, Hendrik (Orgs.). Nova História Militar Brasileira. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

CLAUSEWITZ, Carl von. De la guerre. Paris: Minuit, 1988.

CRAIG, Gordon A. Delbrück: the military historian. Makers of modern Strategy: from Machiavelli to the Nuclear Age. Princeton: Princeton University Press, 1986.

CRUZ, Miguel Dantas da. A militarização do território no Brasil meridional (c.1766-1800). In: MOTTA, Márcia; MACHADO, Marina; SERRÃO, José Vicente. Em terras lusas: conflitos e fronteiras no Império português. Vinhedo: Editora Horizonte, 2013.

FALCON, Francisco. História e Poder. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História. 5ª edição. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

FERREIRA, Gabriela. O Rio da Prata e a consolidação do Estado Imperial. São Paulo. Hucitec, 2006.

GARAVAGLIA, Juan Carlos. Pastores y labradores. Una historia agraria de la campaña bonaerense (1700-1830). Buenos Aires: IEHS/Ediciones de la Flor, 1999.

GARCÍA, Jorge Chauca. Los “otros” militares: desertores en la América Meridional Española del siglo XVIII. Revista de Historia Moderna. Madri: Anales de la Universidad de Alicante, nº 22, 2004.

HESPANHA, António Manoel. História de Portugal Moderno: político e institucional. Lisboa: Universidade Aberta, 1995.

HERZOG, Tamar. Frontiers of possession. Spain and Portugal in Europe and the Americas. Cambridge: Harvard University Press, 2015.

HUNTINGTON, Samuel P. O soldado e o estado: teoria e política das relações entre civis e militares. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2006.

LANDERS, Jane. Movilidad de la diáspora y comunicación entre la población de origen africano en el Circuncaribe. In: VELÁZQUEZ, Maria Elisa (Coord.). Debates históricos contemporáneos: africanos y afrodescendientes en México y Centroamérica. México: INA/UAM, 2011.

MEDEIROS, Pedro Vicente Stefanello. Confuso labirinto: Um estudo sobre as bases da política agrária artiguista. (1767-1815). Dissertação de Mestrado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2016.

MELLO, Christiane Pagano de. Deserções e privilégios: a guerra ao Sul da América. MÉTIS: história & cultura, v. 3, n. 5, jan./jun. 2004.

_________________________. As artes da guerra: antes e depois de Pombal. América portuguesa no século XVIII. Dimensões, v. 37, jul.-dez. 2016.

MENDES, Fábio. A economia moral do recrutamento militar no Império Brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 13, nº 58. 1998.

MENZ, Maximiliano M. Entre impérios. Formação do Rio Grande na crise do Antigo Sistema Colonial português (1777-1822). São Paulo: Alameda Editora. 2009.

MOUTOUKIAS, Zacarias. Gobierno y sociedad en el Tucumán y Río de la Plata, 1550-1800. Nueva Historia Argentina. Tomo 2. Buenos Aires: Sudamericana, 2000.

POSSAMAI, Paulo. O cotidiano da guerra: a vida dos soldados na Colônia do Sacramento. Colóquio internacional Território e Povoamento - A presença portuguesa na região platina. Uruguai, 2004.

PRADO, Fabrício. Colônia do Sacramento: a situação da fronteira platina no século XVIII. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 9, n. 19, 2003.

REZENDE, Tadeu Valdir Freitas de. A conquista e a ocupação da Amazônia brasileira no período colonial: a definição das fronteiras. Tese de Doutorado. São Paulo, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: