O despertar da rivalidade: os debates entre o Barão do Rio Branco e Estanislao Zeballos por meio da imprensa (1904-1908)

Renato Cesar Santejo Saiani, Camila Bueno Grejo

Resumo


As relações entre Brasil e Argentina sofreram inúmeras mudanças ao longo do século XIX e início do XX. Durante o período Rio Branco, 1902-1912, tais vínculos foram marcados por etapas de concórdia, entremeadas por períodos de rivalidade acentuada. O projeto de rearmamento naval brasileiro, aprovado em 1904 e modificado em 1906, foi catalisador de um dos momentos mais delicados das relações políticas entre os dois países. A nomeação de Estanislao Zeballos para o Ministerio de Relaciones Exteriores y Culto, em 1906, exacerbou a situação. Foram intensas as discussões entre os ministros, os representantes diplomáticos, observando-se uma grande exaltação da opinião pública. Essa ebulição foi incitada, em grande medida, pela utilização que Rio Branco e Zeballos faziam da imprensa para movimentar o cenário político da época. Este trabalho tem por objetivo analisar os artigos, publicados tanto na imprensa brasileira como na argentina, no intuito de compreender como se desenrolou esse debate e qual sua influência na crise armamentista que abalou as relações políticas entre as duas nações.


Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Moniz. A presença dos EUA no Brasil: dois séculos de história. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

BUENO, Clodoaldo. Política Externa da Primeira República: os anos de apogeu (de 1902 a 1918). São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CERVO, Amado Luiz. Apresentação. In: BUENO, Clodoaldo. A República e sua Política Exterior (1889-1902). São Paulo: Editora da Unesp, 1995.

DORATIOTO, Francisco Fernando Monteoliva. A política platina do Barão do Rio Branco. Revista Brasileira de Política Internacional, vol. 2, n. 43, p. 130-149, 2000.

ETCHEPAREBORDA, Roberto. Zeballos y la política exterior argentina. Buenos Aires: Pleamar, 1982.

FAUSTO, Boris; DEVOTO, Fernando. Brasil e Argentina. Um ensaio de história comparada (1850-2002). São Paulo: Editora 34, 2004.

INGENIEROS, José. Sociología argentina. Buenos Aires: Editorial Tor, 1956.

LA PRENSA. Equivalencia naval. La Prensa, 10 de novembro de 1904.

___________. El Brasil en el continente. La Prensa, 15 de janeiro de 1905.

___________. Por la seguridad nacional. La Prensa, 13 de novembro de 1906.

MORGENFELD, Leandro. Vecinos en conflicto: Argentina y Estados Unidos en las conferencias pan-americanas (1880-1955). Buenos Aires: Ediciones Continente, 2011.

PARADISO, José. Um lugar no mundo. A Argentina e a busca de identidade internacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

PAREDES, Rogelio. Estanislao Zeballos canciller: entre la diplomacia colonial y la guerra moderna (1878-1908). In: FERNANDÉZ, Sandra; NAVARRO, Fernando (Orgs.). Scribere est agere. Estanislao Zeballos en la vorágine de la modernidad argentina. Rosário: Quinta Pata & Camino Ediciones, 2011.

RIO BRANCO. Censuras Platinas. O Paiz, Rio de Janeiro, 18 de julho de 1905.

____________. Homenagem do Exército Nacional. Coleção Obras do Barão do Rio Branco: Discursos (IX). Rio de Janeiro: Funag, 2012, p. 151-157.

____________. Brasil e Argentina. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 26 de setembro de 1908.

____________. Circular à Legação Brasileira. Diário Oficial, Rio de Janeiro, 19 de setembro de 1908.

SANTOS, Luís Cláudio Villafañe G. O Brasil entre a América e a Europa: o Império e o Interamericanismo (do Congresso do Panamá à Conferência de Washington). São Paulo: Editora Unesp, 2004.

_______________. O dia em que adiaram o carnaval: política externa e a construção do Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

_______________. O evangelho do Barão: Rio Branco e a identidade brasileira. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

ZEBALLOS, Estanislao. Los armamentos navales del Brasil. Revista de Derecho, Historia y Letras, Tomo XX, 1904a.

_______________. Los armamentos navales del Brasil. Revista de Derecho, Historia y Letras, tomo XX, 1904b.

_______________. Mitre. Revista de Derecho, Historia y Letras, Tomo XXIV, 1906.

_______________. Resurgimiento cívico. El alma argentina. Revista de Derecho, Historia y Letras, Tomo XXXI, 1908a.

_______________. Diplomacia desarmada. Revista de Derecho, Historia y Letras, Tomo XXXI, 1908b.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: