Os manuscritos literários: memória em processo

Lourival Holanda

Resumo


Os manuscritos atestam um modo de memória e um processo criativo que dizem muito de um momento cultural. Simultaneamente memória social e mecanismo mental aqui se conjugam. O geneticista busca o fio complexo que liga a memória social à individual, no arranjo peculiar de que o manuscrito dá indícios; e os elementos esparsos que compõem a imprevisível lógica do manuscrito. Assim, os manuscritos permitem acompanham a lógica de composição; o ato de criar, concernindo o texto literário; do silêncio inicial ao ritmo que a escritura persegue, entre rasuras, hesitações, variantes e retomadas, A aposta do geneticista é a recolha de elementos que permitam ver o texto em ação -- o manuscrito -- a partir da detecção das descontinuidades do processo de escritura. Este processo criativo pode bem ser explicitado nos manuscritos de Graciliano Ramos, de Gustave Flaubert ou de Guimarães Rosa. O presente artigo busca mostrar o quanto o estudo dos manuscritos acrescentam à compreensão do texto final.

Palavras-chave


Manuscrito; Crítica genética; Processo de criação.

Texto completo:

PDF

Referências


BONNET, CORINNE. IN: Glen W. BOWERSOCK, From Gibbon to Auden. Essays on the Classical Tradition, Anabases, 12 | 2010, 245-248.

BELLEI, Sergio Luiz Prado. O livro, a literatura e o computador. São Paulo: Educ; Florianópolis: UFSC, 2002.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas. São Paulo: UNESP, 1996.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria. Belo Horizonte: Ed UFMG, 2001.

FERRER, Daniel. Logique du brouillon. Paris: Seuil, 2011.

FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. O.C. Rio de Janeiro: Imago, 1972.

FREUD, Sigmund. Le delire et les rêves dans la Gradiva, de W. Jensen. Paris: PUF, 2010.

HOLANDA, Lourival. Sob o signo do silêncio. São: EDUSP, 1992.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas literaturas. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas. Tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Unesp, 1996.

SANTOS, Alckmar. Leituras de nós. São Paulo : Itaú Cultural, 2003.

SERRES, Michel. Hominescências. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil. 2003.

PROUST, Marcel. La prisonnière. Paris: Gallimard. 1922.

QUIGNARD, Pascal. Le nom sur le bout de la langue. Paris: Gallimard, 1993.

LINS, OSMAN. Guerra sem testemunhas. São Paulo: Ática, 1974.

RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere I, Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

_____. Manuscritos de Vidas secas. Acervo IEB, USP.

_____. Vidas secas, São Paulo: Record, 1983.

ROSA, Guimarães. Ficção completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar; 1994.

TRILLING, Lionel. “Freud e a literatura”. In: A imaginação liberal. São Paulo: É Realizações, 2015.

VALERY, Paul. Cahiers. Nicole Ceylerette-Pietri e Judith Robinson-Valéry (Orgs). Paris: Gallimard, 1988, II, p. 355.

WILLEMART, Philippe. Psicanálise e teoria literária. São Paulo: Perspectiva, 2014.

WILLEMART, Philippe. Fundadores da Modernidade. Coord, de Irlemar Chiampi. São Paulo, 1991, Ática, p. 101.

PESSOA, Fernando. Obra poética. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Manuscrítica. Revista de Crítica Genética. ISSN: 1415-4498
Av. Prof. Luciano Gualberto, 403 Sala 18 CEP: 05508-900 - Cidade Universitária São Paulo - SP / Brasil

Telefone: +551130914077
E-mail: manuscritica@gmail.com