Documentação do português falado em comunidades rurais afro-brasileiras de Sergipe: procedimentos metodológicos

José Humberto dos Santos Santana, Silvana Silva de Farias Araujo, Raquel Meister Ko. Freitag

Resumo


No cenário sociolinguístico brasileiro, a diversidade linguística é um tema que precisa ser discutido e aprofundado, antes que a padronização e a normatização das variedades linguísticas brasileiras, especialmente das que são faladas fora dos grandes centros e em grupos minoritários rurais, apaguem as principais características do vernáculo brasileiro popular. Urge, assim, que sejam realizadas pesquisas de documentação, descrição e análise do português falado nessas comunidades. Com este artigo, chamamos a atenção para a importância do mapeamento e documentação do português falado em comunidades rurais afro-brasileiras sergipanas, variedade linguística que ainda não foi alvo de estudos sistemáticos. Ao longo do texto, ressaltamos a importância da realização de pesquisas regionais com o desenvolvimento de métodos específicos para as regiões em foco.

Palavras-chave


Comunidades quilombolas, constituição de amostras de fala sociolinguísticas, Política da Diversidade Linguística

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, Maria da Glória. 1993. Nordeste Açucareiro (1840-1875): desafios num processo do vir-a-ser (sic) capitalista. Aracaju: UFS/SEPLAN.

Almeida, Norma Lucia Fernandes de & Zenaide de Oliveira Novais Carneiro (orgs.) 2003. Amostras da língua falada em Bananal/Barra dos Negros. Feira de Santana: UEFS Editora.

Almeida, Norma Lucia Fernandes de & Zenaide de Oliveira Novais Carneiro (orgs.) 2008. Amostras da língua falada na zona rural de Anselino da Fonseca. Vol. 01. Coleção Amostras da língua falada no semi-árido (sic) baiano. Feira de Santana: UEFS Editora/FAPESB.

Almeida, Norma Lucia Fernandes de & Zenaide de Oliveira Novais Carneiro (orgs.) 2014. Variação linguística no semiárido baiano. Feira de Santana: UEFS Editora.

Almeida, Norma Lucia Fernandes de et al. (orgs.) 2016. Variação linguística em Feira de Santana – Bahia. Feira de Santana: UEFS Editora.

Amaral, Sharyse Piroupo do. 2012. Um pé calçado, outro no chão: liberdade e escravidão em Sergipe (Cotinguiba, 1860-1900). Salvador: EDUFBA; Aracaju: Editora Diário Oficial.

Battisti, Elisa. 2014. Redes sociais, identidade e variação linguística. In Freitag, Raquel Meister Ko. (org.) Metodologia de coleta e manipulação de dados em Sociolinguística, 79-98. São Paulo: Blücher.

Bomfim, Wellington de Jesus. 2016. O reconhecimento do direito à terra e território da comunidade quilombola Brejão dos Negros (SE). In SEMINÁRIO NACIONAL DE SOCIOLOGIA DA UFS, 1., 2016, São Cristóvão. Anais... São Cristóvão: Programa de Pós-graduação em Sociologia. 1265-1280. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2018.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União — Imprensa Nacional, Brasília, DF, out. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2018.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. 2003. Decreto nº 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Diário Oficial da União — Imprensa Nacional, Brasília, DF, nov. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2018.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. 2010. Decreto nº 7.387, de 9 de dezembro de 2010. Institui o Inventário Nacional da Diversidade Linguística e dá outras providências. Diário Oficial da União — Imprensa Nacional, Brasília, DF, dez. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2018.

Brasil. Regência do Império. 1888. Lei nº 3.353, de 13 de maio de 1888. Declara extinta a escravidão no Brasil. Collecção (sic) das Leis do Imperio (sic) do Brazil (sic) de 1888 — Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, CI, maio. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2018.

Bueno, Francisco Antônio Pimenta. 1881. Ferro-vias (sic): preferência de traçados para a ferro-via (sic) na Província de Sergipe. Rio de Janeiro: Typographia (sic) Nacional.

Corrêa, Maíra Leal. 2016. Quilombo Ladeiras. Belo Horizonte: FAFICH.

FCP. 2007. Portaria nº 98, de 26 de novembro de 2007. Institui o Cadastro Geral de Remanescentes das Comunidades dos Quilombos da Fundação Cultural Palmares, também autodenominadas Terras de Preto, Comunidades Negras, Mocambos, Quilombos, dentre outras denominações congêneres. Legislação e Regimento — Fundação Cultural Palmares, Brasília, DF, nov. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2018.

FCP. 2016-18. Comunidades Remanescentes de Quilombos (CRQ’s). Fundação Cultural Palmares, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2018.

Figueiredo, Ariosvaldo. 1988. O negro escravo em Sergipe: uma introdução ao seu estudo. Ciência & Trópico 16: 45-56.

Freitag, Raquel Meister Ko. 2013. Banco de dados falares sergipanos. Working Papers em Linguística 14: 156-164.

Freitag, Raquel Meister Ko. 2014. Documentação Linguística de comunidades de práticas. In SEMINÁRIO IBERO-AMERICANO DE DIVERSIDADE LINGUÍSTICA, 11., 2014, Foz do Iguaçu. Anais... Brasília: Iphan. 181-185. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2018.

Freitag, Raquel Meister Ko. 2017. Falares sergipanos. In Ataíde, Cleber et al. (orgs.) Gelne 40 anos, 119-30. São Paulo: Blücher.

Freitag, Raquel Meister Ko. 2018. Amostras sociolinguísticas: probabilísticas ou por conveniência?. Revista de Estudos da Linguagem 26: 667-86.

Freitag, Raquel Meister Ko., Norma da Silva Lopes & Silvana Silva de Farias Araújo. 2018. Ampliando as redes, fortalecendo os contatos. A Cor das Letras 19: 5-11.

Frizero, Mariana Gonçalves. 2016a. Quilombo Pirangi. Belo Horizonte: FAFICH.

Frizero, Mariana Gonçalves. 2016b. Quilombo Serra da Guia. Belo Horizonte: FAFICH.

GTDL. 2008. Relatório de atividades (2006-2007). Iphan, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2018.

IBGE. 2017. Bases Cartográficas Contínuas. IBGE, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

Incra. [2012?]-17. Passo a passo da titulação de territórios quilombolas. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

Iphan. 2016. Guia de pesquisa e documentação para o INDL: patrimônio cultural e diversidade linguística. Brasília, DF: Iphan.

Labov, William. 2008 [1972]. Padrões sociolinguísticos. Trad. Marcos Bagno, Maria Marta P. Scherre e Caroline R. Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial.

Lucchesi, Dante. 2009. Introdução. In Lucchesi, Dante, Alan Baxter & Ilza Ribeiro (orgs.) O português afro-brasileiro, 27-37. Salvador: EDUFBA.

Lucchesi, Dante et al. 2009. O português afro-brasileiro: as comunidades analisadas. In Lucchesi, Dante, Alan Baxter & Ilza Ribeiro (orgs.) O português afro-brasileiro, 75-100. Salvador: EDUFBA.

Lucchesi, Dante, Alan Baxter & Ilza Ribeiro (orgs.) 2009. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA.

Mott, Luiz Roberto de Barros. 1976. Pretos e pardos em Sergipe: 1774-1851. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros 10: 7-37.

Mott, Luiz Roberto de Barros. 1986. Sergipe Del Rey: população, economia e sociedade. Sergipe: Fundesc.

Mott, Luiz Roberto de Barros. 2008. Sergipe Colonial e Imperial: religião, família, escravidão e sociedade (1591-1882). São Cristóvão: Editora UFS; Aracaju: Fundação Oviêdo Teixeira.

Nunes, Maria Thétis. 2000-02. O escravo negro e as culturas de subsistência na Capitania de Sergipe d’El Rey. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe 89: 199-207.

Oliveira e Silva, Fernanda Cristina de. 2016. Comunidade remanescente de quilombos do território Luziense. Belo Horizonte: FAFICH.

Oliveira, Igor Fonsêca de. 2010. Os negros dos matos: trajetórias quilombolas em Sergipe Del Rey (1871-1888). Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado da Bahia.

Oliveira, Vanessa dos Santos. 2012. Devoção e distinção étnica na Irmandade dos Homens Pretos do Rosário da cidade de São Cristóvão – Sergipe. Portuguese Studies Review, 20: 79-112.

Passos Subrinho, Josué Modesto dos. 1987. História econômica de Sergipe (1850-1930). Aracaju: Programa Editorial da UFS.

Passos Subrinho, Josué Modesto dos. 2000. Reordenamento do trabalho (trabalho escravo e trabalho livre no Nordeste açucareiro): Sergipe (1850-1930). Aracaju: FUNCAJU.

Santos, Joceneide Cunha. 2004. Entre farinhadas, procissões e famílias: a vida de homens e mulheres escravos em Lagarto, Província de Sergipe (1850-1888). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia.

Santos, Lenalda Andrade & Terezinha Alves de Oliva. 1998. Para conhecer a História de Sergipe. Aracaju: Opção Gráfica.

Santos, Suely Virgínia dos. 2016. O Quilombo de Caraíbas. Belo Horizonte: FAFICH.

Schwartz, Stuart. 1988 [1985]. Segredos Internos: engenhos e escravos na sociedade colonial (1550-1835). Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras.

Sergipe. SEPLAG. 2017. Base Cartográfica Digital de Sergipe. Observatório de Sergipe, Aracaju. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

Sherman, Gary et al. 2016. QGIS: Version 2.14.16 Essen. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

Silva, Gustavo Augusto Fonseca. 2016a. Quilombo Catuabo. Belo Horizonte: FAFICH.

Silva, Gustavo Augusto Fonseca. 2016b. Quilombo Pontal da Barra. Belo Horizonte: FAFICH.

Vieira, Padre Antônio. 2004 [1633]. Sermão XIV. Portal Domínio Público — Ministério da Educação, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PAPIA

Revista Brasileira de Estudos do Contato Linguístico

e-ISSN: 2316-2767

ISSN: 0103-9415 (da versão impressa, descontinuada)

papia@usp.br

PAPIA é indexada no LATINDEX (http://www.latindex.unam.mx), no IBZ Online e na Linguistic Bibliography.