A indeterminação no sujeito no português popular de Poções – BA

Vívian Antonino, Gracielle Barros

Resumo


Buscando compreender os efeitos do contato massivo entre línguas durante o processo de colonização do Brasil, apresentaremos, neste artigo, os resultados da análise da variação nas formas  gramaticais – sobretudo, da forma não marcada da 3ª pessoa do singular - de expressar a indeterminação do sujeito no português popular da cidade de Poções, no interior da Bahia. Seguiremos, aqui, a hipótese de que o quadro atual de variação é resultado de mudanças desencadeadas pelo contato do português com as línguas indígenas e africanas, nos primeiros séculos da formação da sociedade brasileira, e que a forma simplicada da 3ª pessoa do singular é fruto das simplicações sofridas pela língua em decorrência do contato maciço entre línguas. Para alcançar os resultados que serão apresentados, foram seguidos os preceitos da Sociolinguística Variacionista (LABOV 2008 [1972]), que perpassam a teoria da Transmissão Linguística Irregular (LUCCHESI 2003) e a polarização sociolinguística do Brasil.


Palavras-chave


Indeterminação do sujeito; Transmissão Linguística Irregular; português popular.

Texto completo:

PDF

Referências


Chambers, J. K & Trudgill, Peter. 1994. Estructura sociolinguística e inovación linguística. In: La dialectología, 115-136. Madrid: Visor Libros.

Cunha, Celso; Cintra, Lindley. 2008. Nova gramática do português contemporâneo. 5. Ed. Rio de Janeiro: Lexikon.

Duarte, Maria Eugênia L. 2007. Sujeitos de referência definida e arbitrária: aspectos conservadores e inovadores na escrita padrão. Revista Lingüística 3.1.

Labov, William. 2008. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola.

Duarte, Maria Eugênia Lamoglia. 2012. Os sujeitos de 3ª pessoa: REVISITANDO DUARTE 1993. In O sujeito em peças de teatro (1833-1992): estudos diacrônicos. São Paulo: Parábola, 2012.

Duarte, Maria Eugênia Lamoglia. 1995. A perda do princípio" evite pronome" no português brasileiro. Tese de Doutorado. UNICAMP.

Lucchesi, Dante; Baxter, Alan; Ribeiro, Ilza. (Org.). 2009. O Português Afro-Brasileiro. Salvador: EDUFBA.

Lucchesi, Dante. 2001. As suas grandes vertentes da história sociolinguística do Brasil. SãoPaulo: Delta, vol.17. Disponível em: <>

Lucchesi, Dante (2003a). O conceito de transmissão lingüística irregular e o processo de formação do português do Brasil. In: Roncarati, Cláudia (org). Português Brasileiro – contato lingüístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: Viveiros de Castro. p. 272-283.

Neves, Maria Helena de Moura. 2007. Texto e gramática. São Paulo: CONTEXTO.

Ponte, Vanessa. 2008. A indeterminação do sujeito no português popular do interior do estado da Bahia. Salvador: UFBA. 127 p. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Letras e Lingüística, Universidade Federal da Bahia.

Pereira, Deize Crespim. 2013. Uma análise funcionalista da indeterminação do sujeito no Português Popular falado em São Paulo. Filologia e Linguística Portuguesa 15.2: 475-518.

Scherre, Maria Marta Pereira. 2012. Paralelismo lingüístico. Revista de estudos da linguagem 7.2 p. 29-59.

Scherre, Marta; Naro, Anthony. 1993. Duas dimensões do paralelismo formal na concordância verbal no português popular do Brasil. Delta 9.1: 1-14.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PAPIA

Revista Brasileira de Estudos do Contato Linguístico

e-ISSN: 2316-2767

ISSN: 0103-9415 (da versão impressa, descontinuada)

papia@usp.br

PAPIA é indexada no LATINDEX (http://www.latindex.unam.mx) e no DOAJ (http://www.doaj.org).