As proformas pronominais ‘esse um’, ‘aquele um’ e a comunidade quilombola de Jurussaca

Ednalvo Campos, Rosana do Vale

Resumo


Neste artigo, propomos uma análise das proformas pronominais esse um, essa uma, aquele um, aquela uma, muito recorrentes na variedade quilombola de Jurussaca/PA. Tais expressões têm as mesmas funções das proformas pronominais dêiticas e/ou referenciais
de terceira pessoa. Assim, pautamos nosso estudo em Déchaine &
Wiltchko (2002) que propõem uma tipologia bastante abrangente para as proformas pronominais, a partir de três diferentes  ‘comportamentos’ sintáticos: pro-DP, pro-FP e pro-NP. As autoras defendem que pro-DPs são sempre argumentais, pro-FPs são argumentais e/ou predicacionais e pro-NPs funcionam unicamente como predicados. Desse modo, as proformas que ocorrem na variedade de Jurussaca parecem, também, apresentar uma simetria sintática com a proforma one, do inglês, analisada por Déchaine & Wiltchko (2002).


Palavras-chave


Dêixis, referencialidade, proforma pronom

Texto completo:

PDF

Referências


Cunha, C. & Cintra, L. 1985. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

Bechara, Evanildo. 2009 Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Lucerna.

Benveniste, Émile. 1976. Problemas de Linguística Geral I. 5 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional/ EDUSP.

Bloomfield, L. 1933 Language. New York.

Brito, A. M., Duarte, I. Matos, G. 2003. Tipologia e distribuição das expressões nominais. In MATEUS, M. H. M. et alii. Gramática da Língua Portuguesa. 5a. ed. Lisboa: Editora Caminho, ps. 796-867.

Câmara Jr. J. M. 1972. Princípios de Linguística Geral. 4ª. ed. Rio de Janeiro: Acadêmica.

__________ 1996[1970]. Estrutura da Língua Portuguesa. 24ª. ed. Petrópolis: Vozes.

Campos, Ednalvo A. 2014. A sintaxe pronominal na variedade afro-indígena de Jurussaca: uma contribuição para o quadro da pronominalização do português falado no Brasil. Tese de Doutorado: Universidade de São Paulo.

Cardinaletti, A. & Starke, M. 1999. The typology of structural deficiency: On the three grammatical classes. In: Henk van Riemsdijk. ed.. Clitics in the Languages of Europe, Empirical Approaches to Language Typology. Berlin: Mouton de Gruyter, 145–233.

Chomsky, N. 1981. Lectures on Government and Binding. Dordrecht: Foris.

_________ 1986. Knowledge of Language: Its nature, origin and use. Praeger: Conneticut: London.

_________ 1995a. The Minimalist Program. Cambridge, MA: MIT Press.

Déchaine, Rose-Marie & Wiltschko, Martina. 2002. Decomposing Pronouns. Linguistic Inquiry, Vol. 33, Number 3: MIT, 409-442.

Galves, C. 2001. Clíticos e Concordância em Português. In Galves, C. Ensaios sobre as gramáticas do português. Editora da Unicamp. Campinas: São Paulo, p. 125-152.

Harley, H. & Ritter, E. 2002. Person and number in pronouns: a feature-geometric analysis. Language 78. P 482-526.

Kayne, R.S. 1991. Romance Clitics, Verb Movment and PRO. Linguistic Inquiry, Vol. 22, Nº 4, p. 647-683.

Oliveira, M.S.D. et al. 2015. O conceito de português afro-indígena e a comunidade de Jurussaca. In: Avelar, JO; Alvárez Lopes, L (Orgs.), Dinâmicas afro-latinas: língua(s) e história(s). Frankfurt an Main: Peter Lang, p. 149-177.

Perini, Mário A. 2010. Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PAPIA

Revista Brasileira de Estudos do Contato Linguístico

e-ISSN: 2316-2767

ISSN: 0103-9415 (da versão impressa, descontinuada)

papia@usp.br

PAPIA é indexada no LATINDEX (http://www.latindex.unam.mx), no IBZ Online e na Linguistic Bibliography.