Apagamento de /R, S, l/ na coda no português de São Tomé: convergência linguística?

Nancy Mendes Torres Vieira, Amanda Macedo Balduino

Resumo


Este artigo discute o apagamento de /R, S, l/, na coda, no português de São Tomé (PST), variedade falada em São Tomé e Príncipe. A partir da análise de 662 palavras (1.445 ocorrências: 577 para /R/, 550 para /S/ e 318 para /l/), pôde ser observado que o apagamento da coda é um fenômeno recorrente no PST: 61,53 % /R/, 5,27% /S/, e 24,21% /l/. A preferência por uma sílaba CV é, assim, atestada, porém a implementação do apagamento não é homogênea para todos os segmentos, sendo mais comum com róticos. Esse dado, a princípio, poderia sugerir uma interferência linguística do santome, língua em que não há róticos em coda, no PST. Todavia, o percentual do apagamento da lateral e a ocorrência do fenômeno em outras variedades do português indicam que tal pressuposto não é sustentado, pois não explica, isoladamente, os diferentes percentuais de apagamento em coda no PST.

Palavras-chave


Português santomense, apagamento de coda; santome; convergência linguística.

Texto completo:

PDF

Referências


Abaurre, Maria Bernardete Marques & Sândalo, Maria Filomena Spatti. 2003. Os róticos revisitados. In: HORA, Dermeval; Collischonn, Gisela (org.). Teoria Linguística: Fonologia e outros temas. João Pessoa: Editora Universitária, Universidade Federal da Paraíba.

Agostinho, Ana Lívia. 2016. Róticos em contexto intervocálico no Português da Ilha do Príncipe: fonologia e educação. Comunicação apresentada ao IX Encontro da ABECS. Brasília, Universidade de Brasília, 28-30 de novembro.

Agostinho, Ana Lívia. 2015. Fonologia e Método Pedagógico do Lung’ie. Tese de Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Agostinho, Ana Lívia; Balduino, Amanda. 2016. Trabalho de Campo em São Tomé e Príncipe. Inédito.

Agostinho, Ana Lívia; Bandeira, Manuele; Araujo, Gabriel. 2016. O Lung’Ie na

Educação Escolar de São Tomé e Príncipe. Trabalhos em linguistíca aplicada, 55 (3):

-618. https://doi.org/10.1590/010318135164183401.

Araujo, Gabriel. 2020. Há uma política linguística para o português em São Tomé e Príncipe? In Souza, Sweder & Francisco Olmo (eds.), Línguas em português: a lusofonia numa perspectiva crítica. Porto: Editora da Universidade do Porto.

Araújo, Gabriel & Agostinho, Ana Lívia. 2010. Padronização das línguas nacionais de São Tomé e Príncipe. Língua e Instrumentos Linguísticos 26: 49-81.

Araújo, Gabriel & Hagemeijer, T. 2013. Dicionário Santome-Português/Português-Santome. São Paulo: Hedra.

Bandeira, Manuele. 2017. Reconstrução fonológica e lexical do protocrioulo do Golfo da Guiné. Tese de Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Balduino, Amanda Macedo, Agostinho, Ana Lívia dos Santos, Araújo, Gabriel & Christofoletti, Alfredo Silveira. 2015. A nasalidade vocálica em santome e lung’ie. Papia, São Paulo, 25(1): 7-25.

Balduino, Amanda Macedo. 2018a. A nasalidade vocálica no português falado em São Tomé e Príncipe. 2018. Dissertação de Mestrado em Letras, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Balduino, Amanda Macedo. 2018b. A coda no português falado em São Tomé e Príncipe: uma descrição preliminar. Comunicação Oral. Cadernos de Resumos I CoPed.

Balduino, Amanda Macedo & Vieira, Nancy Mendes. 2020. Distribuição da lateral /l/ em coda no português santomense. Revista Estudos Linguísticos, São Paulo, 49(2): 594-615. doi: https://doi.org/10.21165/el.v49i2.2490

Bisol, Leda. 1999. A sílaba e seus constituintes. In: Neves, Maria Helena de Moura (Org.). Gramática do Português culto falado: novos estudos, 701-742. Campinas: Editora da Unicamp.

Blevins, J. 1995. The syllable in Phonological Theory. In: Goldsmith, John (Ed.). Handbook of phonological theory, 206-244. Nova Jersey: Wiley-Blackwell Publishing.

Bouchard, M. Linguistic variation and change in the Portuguese of São Tomé. 2017. Doctoral dissertation, New York University.

Brandão, Silvia Figueiredo, Mota, Maria Antónia & Cunha, Cláudia de Souza. 2003. Um estudo contrastivo entre o português europeu e o português do Brasil: o –R final de vocábulo. In: Brandão, Silvia Figueiredo & Mota, Maria Antônia (orgs.). Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos, 163-180. Rio de Janeiro, In-Fólio.

Brandão, Silvia Figueiredo. 2011. Concordância nominal em duas variedades do português: convergências e divergências. Veredas, 15(1): 164-178.

Brandão, Silvia Figueiredo; Vieira, Silvia Rodrigues. 2012. A concordância nominal e verbal no Português do Brasil e no Português de São Tomé: uma abordagem sociolinguística. Papia 22(1): 7-39.

Brandão, Silvia Figueiredo, Pessanha, Davi Bretas, Pontes, Stefany & Corrêa, Monique. 2017. Róticos na variedade urbana do Português de São Tomé. Papia, 27(2): 293-315.

Brandão, Silvia Figueiredo & De Paula, A. 2018. Róticos nas variedades santomense e moçambicana do Português. In: Brandão, S. F. (org.). Duas variedades africanas do Português: variáveis fonético-fonológicas e morfossintáticas, 93-118. São Paulo: Blucher.

Brandão, Silvia Figueiredo. 2018. Apagamento de R em coda externa em duas variedades africanas do português. Diadorim, Rio de Janeiro, 20 (Especial): 390-408.

Callou, Dinah Maria. 1987. Variação e Distribuição da Vibrante Na Fala Culta do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: PROED, UFRJ.

Callou, Dinah, Leite, Yonne & Moraes, João. 1994. Variação e diferenciação dialetal: a pronúncia do /r/ no português do Brasil. In: Koch, Ingedore Grunfeld Villaça. Gramática do Português Falado, 465-493. Campinas: Editora da Unicamp/FAPESP.

Callou, Dinah, Leite, Yonne & Moraes, João. 2002. Processo(s) de enfraquecimento consonantal no português do Brasil. In Abaurre, Maria Bernadete M. & Rodrigues, Angela C. S. (orgs.) Gramática do português falado VIII: novos estudos descritivos, 537-555. Campinas: UNICAMP/FAPESP.

Callou, Dinah & Serra, Carolina. 2012. Variação do rótico e estrutura prosódica. GELNE, 14 (Especial): 41-58.

Callou, Dinah, Serra, Carolina & Cunha, Cláudia. 2015. Mudança em curso no português brasileiro: o apagamento do R no dialeto nordestino. Revista Abralin, 14 (1): 195-219. doi: http://dx.doi.org/10.5380/rabl.v14i1.42491

Câmara Jr., Joaquim Matoso. 1970. Estrutura da Língua Portuguesa. Petrópolis: Vozes.

Christofoletti, Alfredo. 2013. Ditongos no português de São Tomé e Príncipe. 2013. Dissertação de Mestrado em Letras, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Christofoletti, Alfredo & Araújo, Gabriel. 2018. Vogais e Ditongos no Português Vernacular de São Tomé e Príncipe. In Oliveira, Márcia Santos Duarte; Araújo, Gabriel Antunes (orgs.). O Português na África Atlântica, 258-296. São Paulo: Humanitas/Fapesp.

Corvalán, Carmen Silva. 2008. The Limits of Convergence in language contact. In Journal of language contact, Thema 2.

Ferraz, L. I. 1974. A Linguistic Appraisal of Angolar. Memoriam Antônio Jorge Dias, 2: 177-186.

Ferraz, L. I. 1979. The creole of São Tomé. Johannesburg: Witwatersrand University Press.

Figueiredo, Carlos Filipe Guimarães. 2010. A concordância plural variável no sintagma nominal do português reestruturado da comunidade de Almoxarife, São Tomé (Desenvolvimento das regras de concordância variáveis no processo de transmissão-aquisição geracional). Tese de Doutorado, Universidade de Macau.

Garfield, Robert. 1992. A history of São Tomé island: 1470-1655. The key to Guinea. San Francisco: Mellen Research University Press.

Goldsmith, John A. 1990. Syllable Structure. In: Goldsmith, John. Autosegmental and metrical phonology, 103-140. Nova Jersey: Wiley-Blackwell Publishing.

Gonçalves, Rita. 2010. Propriedade de Subcategorização verbal no português de S. Tomé. Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa.

Günther, Wilfried. 1973. Das Portugiesische Kreolisch der ilha do Príncipe. Marburg: Marburg an der Lahn.

Hagemeijer, T. 2009. Initial vowel agglutination in the Gulf of Guinea creoles. In: Aboh, Enoch; Smith, Norval (Ed.). Complex processes in new languages, 29-50. Amsterdam/Filadélfia: John Benjamin’s Publishing Company.

Hagemeijer, Tjerk. 2011. The Gulf of Guinea Creoles: Genetic and typological relations. Journal of Pidgin and Creole Languages, 26(1): 111-154. doi: https://doi.org/10.1075/jpcl.26.1.05hag

Hora, D., Pedrosa, J. & Cardoso, W. 2010. Status da consoante pós-vocálica no português brasileiro: coda ou onset com núcleo não preenchido foneticamente? Letras de Hoje, Porto Alegre, 45(1): 71-79.

INE - Instituto Nacional de Estatística de São Tomé e Príncipe. Disponível em: https://www.ine.st. Acesso em: 10/11/19.

Lucchesi, Dante & Baxter, Alan. 2009. A transmissão linguística irregular. In: Ribeiro, Ilza (Org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA.

Mateus, Maria Helena & d'Andrade, Ernesto. 2000. The Phonology of Portuguese. Oxford: Oxford linguistics.

Mateus, Maria Helena & Rodrigues, Celeste. 2004. A vibrante em coda no Português Europeu. Actas do XIX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, 289-299.

Maurer, P. 1995. L’Angolar: Un créole afroportugais parlé à São Tomé; Notes de grammaire, textes, vocabulaires. Hamburg: Helmut Buske Verlag.

Maurer, P. 2009. Principense. Grammar, texts, and vocabulary of the Afro-Portuguese creole of the Island of Príncipe, Gulf of Guinea. London: Battlebridge Publications.

Meneses, Francisco de Oliveira. 2012. As vogais desvozeadas no Português Brasileiro: investigação acústico-articulatória. Dissertação de Mestrado, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estatual de Campinas.

Oliveira, I.C. 2018. Os róticos em coda silábica externa: o interior da região Sul no projeto AliB. 2018. Dissertação de Mestrado em Letras, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Quednau, L. 1993. A lateral pós-vocálica no português gaúcho: análise variacionista e representação não linear. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Ribeiro, Silvia Renata & Hora, Dermeval da. 2004. Anais da XX jornada. GELNE, 2383-2392.

Ribeiro, Silvia Renata. 2006. Apagamento da sibilante final em lexemas: uma análise variacionista do falar Pessoense. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba.

Rodrigues, M. C. 2012. Todas as codas são frágeis em português europeu? Revista LinguíStica / Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 8(1): 138-149.

Scherre, Maria Marta Pereira. 1988. Reanálise da concordância de número em português. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Scherre, Maria Marta Pereira; Naro, Anthony. 1997. A concordância de número no português do Brasil: um caso típico de variação inerente. In Hora, Dermeval da (org.) Diversidade linguística no Brasil. João Pessoa: Ideia.

Seibert, Gerhard. 2012. Tenreiro, Amador e os angolares ou a reinvenção da história da ilha de São Tomé. Realis — Revista de Estudos Antiutilitaristas e Poscoloniais, 2(2): 21-39.

Selkirk, E. 1982. The syllable. In: Hulst, H. & Smith, N. (Ed.) The Structure of Phonological Representations, 337-383. Dordrecht: Foris.

Serra, Carolina & Callou, Dinah. 2015. Prosodic structure, prominence and /r/-deletion in final coda position: Brazilian Portuguese and European Portuguese contrasted. In: Amedeo De Dominicis, (ed.). pS-prominenceS: Prominences in Linguistics. Proceedings of the International Conference. Department of Human Sciences and Tourism. University of Tuscia. Viterbo-Italy: Disucom Press.

Thomason, Sarah Grey. 2001. Language Contact: An Introduction. Edunburgh/ Washington: Edinburgh University Press and Georgetown University Press.

Thomason, Sarah Grey; Kaufman, Terrence. 1988. Language Contact, creolization, and Genetic Linguistics. Berkeley: University of California Press.

Winford, Donald. 2003. An Introduction to Contact Linguistic. Oxford: Blackwell.

Winford, Donald. 2007. Some issues in the study of language contact. Journal of Language Contact, 1:22-39. doi: https://doi.org/10.1163/000000007792548288


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PAPIA

Revista Brasileira de Estudos do Contato Linguístico

e-ISSN: 2316-2767

ISSN: 0103-9415 (da versão impressa, descontinuada)

papia@usp.br

PAPIA é indexada no LATINDEX (http://www.latindex.unam.mx), no IBZ Online e na Linguistic Bibliography.