A emergência de construções causativas perifrásticas em Nheengatu do século XIX

Aline Da Cruz, Elivelto Cardoso e Silva

Resumo


Este artigo objetivou analisar as construções causativas em Nheengatu do século XIX, a partir da análise de narrativas registradas por Barbosa Rodrigues (1890). O Nheengatu, conhecido como língua geral amazônica, originou-se a partir processos de mudanças induzidas por intenso contato linguístico pelas quais passou o Tupinambá (Tupi-Guarani, subgrupo III) no período colonial. Um segundo objetivo é propor uma investigação diacrônica das causativas, comparando essas construções em três momentos: (a) o Tupinambá do século XVI (Rodrigues 1953); (b) o Nheengatu do século XIX; (c) o Nheengatu do século XXI (Da Cruz 2011). Como resultado, observou-se que em Nheengatu oitocentista havia três construções causativas: uma construção com prefixo causativo; uma construção com sufixo causativo; e uma construção perifrástica. As duas construções morfológicas constituem formas conservadoras, encontradas também em Tupinambá. Por sua vez, a causativa perifrástica é uma inovação, que emergiu a partir do contanto do Nheengatu com variedades do Português Brasileiro.

Palavras-chave


Nheengatu; Causativo; Línguas Tupi-Guarani.

Texto completo:

PDF

Referências


BRUNO, A. C. The Causative Construction in Waimiri Atroari. 2006. Revista Liames, Campinas – SP, nº 6. p. 101-108.

CRUZ, Aline da. 2011. Fonologia e Gramática do Nheengatú: A língua geral falada pelos povos Baré, Warekena e Baniwa. Utrecht: LOT.

CRUZ, Aline da. 2014. Reduplication in Nheengatú. In: Gale Goodwin Gómez; Hein van der Voort. (Org.). Reduplication Indigenous Languages of South America. v. 7, p. 114-140. Led Leiden: Brill.

FERNÁNDE, Z. E. 2001. Causatividad en Pima Bajo. Revista Liames, Campinas – SP, nº 1. p. 89-103.

FREIRE, J. R. B. 2004. Rio Babel: a história das línguas na Amazônia. Rio de Janeiro, Ed: UERJ.

FREIRE, J. R. B.; ROSA, M, C. 2003. Línguas Gerais: política linguística e catequese no período colonial. Rio de Janeiro, Ed: UERJ.

GOMES, D. M. 2005. Passiva em Mundurukú (Tupí): uma interseção entre reflexivas/recíprocas e causativas de transitivo. Revista Liames, Campinas – SP, nº 5. p. 43-53.

HEINE, Bernd et al. 1991. Grammaticalization: A conceptual framework. Chicago: The University of Chicago Press.

MARTELLOTA, M, E. 2013. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto.

RODRIGUES, João Barbosa. 1890. Poranduba amazonense, ou kochiyma-uara porandub, 1872-1887. Rio de Janeiro: Typ. de G. Leuzinger & Filhos.

SHIBATANI, M. 2002. The Grammar of Causation and Interpesonal Manipulation. John Benjamins, Amsterdam/Philadelphia. nº 48.

SHIBATANI, M. 1976. Causativization. Syntax and Semantics: Japanese Generative Grammar, Academic Press, New York, V. 5, p. 239-294.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PAPIA

Revista Brasileira de Estudos do Contato Linguístico

e-ISSN: 2316-2767

ISSN: 0103-9415 (da versão impressa, descontinuada)

papia@usp.br

PAPIA é indexada no LATINDEX (http://www.latindex.unam.mx), no IBZ Online e na Linguistic Bibliography.