A Utopia Pós-Sionista de Amós Oz

Ricardo Vaidergorn

Resumo


Este ensaio aborda o romance A caixa preta de Amós Oz. Observa o confronto de dois  personagens opostos; o ex-marido e o atual.  O anterior é um bem nascido da elite engajada na modernidade. O novo é um excluído que vive à margem das certezas e ideias nacionais ou institucionais, um desengajado e quer ser reconhecido. Espelha a descentralização do sujeito em oposição ao institucionalizado. Ao mesmo tempo, sociólogos e historiadores de então, nos anos 1970, ironizavam a nova tendência da pós-modernidade como mais uma mera utopia. Em Israel o conflito espelhado em A caixa preta, atualmente reconhecido com o impacto dos primórdios da globalização sobre as ideologias nacionais, na época foi traduzido como “Utopia Pós-Sionista”.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Vértices

Contato: Centro de Estudos Judaicos da USP

Tel/Fax.: +55 11 3813-6528

Email: verticeshebraico@gmail.com